quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Sonâmbulo

    Tá ae, algo que pouca gente sabe sobre mim, eu sofro de sonambulismo. Bom, um sonâmbulo é capaz de realizar incontáveis atividades motoras. Há várias histórias de gente que acorda fora de casa e coisa assim, bom comigo não há dessas super histórias, mas um fato aconteceu terça, que comecei a pensar que isso pode estar começando a ficar meio foda.
    Como já expliquei, estou morando em toledo. Moro num apartamento com meu primo e um outro cara, que logo vai embora. Eu fui dormir, pois trabalho de manhã e meu primo ficou conversando com uns vizinhos na escada, eu não ouvi, mas pelo que o outro pia contou eles tavam quase gritando. Enfim, ele também foi dormir, e nisso eu liguei abri a porta do quarto, liguei a luz da sala e fiquei olhando brabo. Ele achando, que eu tinha ficado brabo com o barulho dos pias e estava acordado, achou normal, só me questionou zuando e eu falei que não tinha feito isso e não me lembrava.
     Bom, não é a primeira experiência de sonambulismo que tenho, porém nunca tive uma tão incompreensível, ou de me importar com o que acontece a minha volta. Já fui dormir numa cama sem cobertor, acordei na sala com cobertor, essa história até com testemunha. Diversas dormi na sala vendo tv, acordo outro dia na cama, com a tv desligada. Muitas conversas dormindo que tive com o Ricardo, assim como eu conversava com ele, enquanto ele dormia. Tem outra que...
    Eu disse que não havia histórias divertidas ou loucas, mas essa é de certo modo assim. Bom eu fui num aniversário, bebi bastante, mas lembro de chegar até em casa. Me deitei e dormi, de cueca, coberto e com as portas abertas, como sempre durmo. Porém, outro dia acordei pelado, com a porta do banheiro e do quarto trancadas e sem cobertor e não faço idéia do que aconteceu.
    Bom, não me responsabilizo pelos meus sonos.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Mundança

    Correria total, pois pra quem não sabe me mudei pra toledo essa semana. Semana na qual é semana de provas praticamente, o que fode mais com tudo. Aqui na agência, onde comecei a trabalhar, a Brava Communicação, ainda não estou apertado e tá uma integração legal com o Tiago e o Douglas, principalmente, fora o tanto de café que voltei a tomar.
    Já aprendi que to ferrado e que vou viver bastante sozinho. O pior que ainda que agora nem tenho meu "cantinho", para ao menos ficar sozinho numa boa.

Até lá, nos vemos por ae, quando der volto a escrever. Ah, tem um playerzinho descolado aqui na direita, com uma seleção fodona para você ouvir e ler mais a vontade o blogue. Obrigado.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Gringos e seu português

"Porque uma banda dos EUA põe o nome de Brazilian Girls, sendo que nunca nem vieram pra cá?"; A Pati me disse isso certo dia e logo respondi, se aqui tem nosso saudoso Garotas Suecas, porque não? Mas ela disse que era estranho. Pode até ser, já que Garotas Suecas são sinônimos de perfeição para os homens e talz. Será que pra eles também?
Bom, eu não sei, acho que não, o que torna tudo estranho. Tão estranho quanto a Broken Records ter uma música chamada "Dia dos Namorados"; Ouvindo o cd novo, recém saido, me deparei com essa bela música que é toda inglês, de uma banda escocesa, mas tem o nome em português. É o tipo de coisa que tu não vai descobrir e ficar encucado até esquecer ou parar de ouvir a música.
Isso quase aconteceu certa feita, mas nesse papo me lembro dela, e que deve ser a mais "encucante" de todas. "Caralho Voador" do Faith No More. Sim, é essa banda americana que tem lá seus fãs e seus méritos. Se não bastasse o nome, a letra é em inglês e fala que um cara que tem um carro foda e todo mundo o conhece por isso e agora quer libertação. Dae vem um verso, desses poéticos que não tem muito a ver com o resto e depois vem o "BUM!" da parada. Um verso em português, que nem de longe faz sentido:


"Eu não posso dirigir
E agora aparece
Meu dedo enterrado
No meu nariz"

Se bem que não se entende muito o que ele fala na música, que é um português não muito compreensível.





Só para complementar: Diz a lenda que há uma frase em português na discografia dos Beatles tem uma frase em português. "Pega o cavaquinho" nos 5min e 35seg de Hey Jude. Confirmando o tempo disso, achei mais uma frase. "Se liga velho" nos 1min e 43seg de Dont Let Me Down.

domingo, 31 de outubro de 2010

Burro é quem faz burrice

No Forrest Gump em vários momentos ouvimos "Idiota é quem faz idiotice". Bom, nessas eleições só me veio uma parafrase na cabeça: "Burro é quem faz burrice". Não discuto lados políticos, ou quem eu apoio, mas poxa, os comentários que ouvi e li, no twitter, principalmente de amigos dá vontade de largar as bets.
 Todo mundo dando suas opniões contra-dilma, com argumentos e opniões falhas de idiotas, dizendo que quem vota é burro, ela é burro e até o dunga é burro. Mas sabe, não é defendendo votar nela, e sim, quem apoia ela, que é "burro", não fala nada, fica na sua. E os inteligentes tão lá falando merda, fazendo burrice e quem faz burrice é burro!

Só pra comentar outro aspecto, bons argumentos surgiram na eleição:
"Ela vai deixar o Brasil comunista"; "Só dá dinheiro pra vagabundo"; "Ela é do demonio"; e por ae vai.
Mas o que eu mais gosto "ninguém conhece a dilma"; realmente, eu que não entendo de política, não conheço a Dilma. Assim, como não conheço o Serra. Já tinha ouvido o nome dela quando pegou aquele ministério e o Serra, que já perdeu pro Lula uma vez (ou mais?). E todos aqueles otários, que junto comigo não entendem nada de política, lá falando isso. TENHA DÓ!

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Nuvens Godzilla

    Deitar em um gramado, olhar para o céu. Definitivamente, há poucas coisas pra mim que superam isso. Ah, claro, por mais que não tenha muita conversa, estar acompanhado de alguém, pra não ficar um clima muito solitário. 
    Não importa, se é de noite para ver estrelas ou de dia para nuvens, é uma sensação fantástica. Talvez, seja meu teleporte sem sair do lugar, junto com uma calmaria profunda. Toda a serenidade do luar; Toda nostalgia das nuvens.
    Aqui começa meu problema. Eu tenho uma sindrome que toda vez que olho pra nuvens de um modo, ou de outro, eu vejo um godzilla. Parece piada, como quase tudo na minha vida, mas é verdade. Eles geralmente não são tão visíveis como esse abaixo, mas eu 


   Na verdade, não é exatamente o Godzilla. Mas são sempre dinossauros, dragões e semelhantes. Mas a vez que eu reparei era um Godzilla e muitas vezes se aproxima disso.consigo vê-los entre as saídas de luz.


quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Filmes de amor

    Há alguns dias o Ariel postou em seu blogue um texto sobre filmes, e que curtia um do tom waits e talz e que achava besta filmes de amor. Bom, eu não lembro, já que o bocaberta deletou. E poxa, tinha mandado uma puta comentário pra ele, que se perdeu junto com o texto.
    Esse assunto de filmes de amor é algo que me deixa muito fulo. Quem admite gostar de filmes sobre amor, não sabe o que são filmes de amor. Quem não gosta, também não sabe nada sobre filmes de amor e julga-os mal. Ao meu redor ficam nessa de ver filmes violento. Tarantino é genial!! UHUL!
Não que não seje, mas estou enjoado do Tarantino e sua violência, do Burton (junto com o Depp) e sua "darkquessidade".
É um assunto complicado. Todo mundo curte filmes de amor, isso é inevitável, porém ninguém entende quando está vendo um filme de amor. As pessoas consideram-os filmes de amor como romances, mas se enganam. Romances são romances, sem tristeza e com um final mela cueca, sempre. Filme de amor, as vezes é feliz, as vezes triste e em todas vezes tem uma história sobre sentimentos confusos.
    Eu gosto de uma par deles. Muitos deles, acabam ficando camuflados, mas estão ali.
    Brilho Eterno de uma mente sem lembranças, High Fidelity, Amélie Poulain, Apenas o Fim, Bonecas Russas (sequência de albergue espanhol), Garden State são ótimos filmes sobre. São meio "undergrounds" a certo modo. Até acho que o meio que blockbuster 500 dias com ela seje.
    Não se trata de histórias melosas, tratam de boas histórias que nos identificamos pela "coincidência realista" que tem neles. Pelo cotidiano. Pela Emoção que há, seja de tristeza ou alegria. Sem contar as diversas maneiras que são contadas esses filmes acima, que é um mais genial que o outro.

Deixo esse curta, que já postei no blogue, mas que acho foda e inclui tudo que falo nesse último parágrafo.


Obs. Acho que vão começar a me chamar de boiola depois disso.

Recado para o Ariel: Vai te lascar!

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Minha vida é um agridoce

    Estava indo dormir, quando pensei como foi meu dia. Eu teria uma prova de estatística hoje, mas roubaram o notebook da professora, assim perdendo seus arquivos de prova. Pensei: "Coitada da professora ela... tem uma voz tão legal". Eu juro, é muito estranho. Ela tem tudo pra ser uma voz irritante, mas de algum jeito, eu gosto dela.
    Em todo esse pensamento pré-soniano, pensei: "Ela tem uma voz tão legal, parece de uma menina de 15 ou 16 anos. Mas ela parece tão séria visualmente". É um contraponto muito interessante. A professora meio nova, creio, tem até um piercing no nariz, o que indica certa rebeldia, mas ela soa muito séria. Isso torna-a legal. É muito agridoce.
    Logo em mente me veio minha fixação por pipocas. Todo mundo acha bizarro, mas minha pipoca favorita é feita com açúcar e sazon. Logo em seguida vem a pipoca de microondas, sabor canela, com sazon. Ambas agridoces.
   Fui mijar e lá me veio outro Agridoce: Alfredo. Eu já disse pro Emilio, que seu segundo nome, é um dos melhores nomes que existe. Alfredo, soa tão sério. Talvez pelo estereotipo mordomo que se chama "Alfred", mas acho que Alfredo parece nome de vô, e por mais que seu vô seja engraçado ou você odeie-o, a figura do Vô é muito séria. Mas também, Alfredo, soa engraçado. Imagino um palhaço apertando o nariz com os dedos e dizendo: "Alfredo".
    Ia me deitar, mas pensei: "Esse pode ser o melhor texto que já escrevi. É uma crônica muito boa". Agora estou aqui sentado, são duas horas e quarenta e cinco da manhã e eu refletindo sobre minha "vida agridoce".      
    Patético? Não, genial. Tudo tem dois lados. Pra mim, há duas fragancias totalmente opostas se debatendo em cada coisa. Meus amigos, meus amores, minha familia, minhas músicas. Eu os amo tão profundamente que preciso, ou tenho motivos para odiá-los.
   Esse tipo de coisa, remete a toda tua vida. De forma nostálgica. Tudo só me faz pensar que quando eu era criança, em aniversários infantis, aprendi uma das coisas mais valiosas da vida: "Não há muitas coisas tão gostosas como comer brigadeiro e risólis junto"


"Cause it's a bittersweet symphony, this life" - The Verve

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Meus Bródi - Parte 7 - O Recicláudio

    Setembro indo pros finalmentes, começa as preocupações do vestibular. Ao menos o da FAG/FASUL/DOM BOSCO, que eu estudo, e que é antes, sim. Então, a o grupo FAG, como todo "bom" grupo de faculdades ofereçe uma boa série de propagandas. 
   Dae estava eu em sala de aula, e o professor de Jean que me chama de Salsicha(ou Vina) falou: "Mazah Vina, garoto propaganda do vestibular da FASUL." Dae, falei que não sabia, que não tinha visto as propagadas. Poucos dias após, chega o professor Zigo e fala a mesma. Eu fiquei encucado. Dae, eu andando, só tinha visto a propaganda da mulher, dae vi uma que tem um cara de black power. E logo depois que vi, uma amiga falou "Viu ali na entrada o você na propaganda?". Finquei pensando se era real, me acharem a cara do maluco de Black Power. 
   Mas nesse fim de semana a Jô, mostrou a real:
E ainda tem o Vt, para a Tv:

terça-feira, 14 de setembro de 2010

O personagem mais mal de todos

    O mal está presente em tudo. O mau, como diria o Ricardo. Tá, ele não diria isso, mas desde que ele colocou o nome de um curta seu de "Coisa do Mau", a palavra me marcou. Soa mais engraçado. 
    Não existe uma série, livro, filme.. ou qualquer tipo de história que não aja um personagem que seja um contraponto do resto da história e personagens. Popularmente, conhecido como Vilão, ele personifica-se de diversas maneiras. A vizinha fofoqueira na novela, o Diabo na biblia ou o Jason no filme do Jason. Mas nenhum deles chega perto, mas nem perto do vilão mais mal de todos. O mal em pessoa. Aquele que faz maldade por pura maldade, sem ressentimentos. Você pode não acreditar, mas esse cara a baixo é o cara mais mal de todos:

   Discorda? Reflita: Só de ver o carro dele, já dá pra ver que ele vai ganhar dos outros. Ele tem um foguete, os outros tem carros feitos de pau com serrotes, calhambeque velho, um avião da primeira guerra, uma pedra que nem motor tem... No pau brabo, tem o carro do Peter Perfeito que é um "dragster". Dae tá, ele tá ali dirigindo sussa, ganhando a corrida o que ele faz? Para o carro, pra fazer uma armadilha e ferrar com todo mundo. Só por maldade, nem por ganhar a corrida é.
   Dae você diz: "Mas tem vários personagens que fazem maldades só por fazer". Qual? O Jason que era zuado no colégio e foi AFOGADO? A fofoqueira vizinha da novela que tem INVEJA da mocinha? Lúcifer que DISCORDOU de seu pai e virou "O MAL" em pessoa?
   Eu acho que não!
   Se não concorda, comente e mostre-me outro vilão que faz maldade só por ser mal, sem outro objetivo ou coisa assim.


quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Pastor Marcos responde: Porque não está Chovendo?

Olá irmãos.
Desde quinta-feira passada aqui na região oeste nos deparamos com um clima quente, que encaminha-se para a chuva e não chove. Hoje, quarta-feira, não é diferente. Bom, porque? Deus não gosta de nós?
Seguinte irmãos, o que deve ser entendido que como há gente que não consegue mijar quando há alguém olhando, Deus não consegue fazer chover quando tá todo mundo olhando. E cara, tá todo mundo olhando e pensando, e deus sabe o que você está pensando.
Então, dê um tempinho ao senhor que ele lhe retribuirá.

EDIT: Aleluia, irmão continuem lendo essa mensagem e repassando para conhecidos, que vai chover. Os que já leram ontem, perceberam que houve alguns pingos, estamos no caminho,irmãos.

Amém

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

A guitarra do Jaspion

Bom, certo dia o Popi me falou que tinha uma guitarra eletrônica. Isso abalou minha imaginação, pois eu não conseguia imaginar isso. Parecia ser algo grandioso. Ficou um mês pra mais só falando, até que certo dia ele me mostrou junto a toda a banda. Cara, é a pira mais errada e maneira do universo.

    Tipo, parece tosco? É muito mais do que isso. Poxa, ela é uma guitarra, que tem botões que se tu optar pode fazer som de outros diversos instrumentos e ainda regular a intensidade disso. E mais, tu escolhe ritmos básicos e manda bala. Bom, isso foi a minha resposta a Carline que falou que seria bom uma guitarra que tocasse direto. ELA FAZ ISSO! Além de poder ser ligada a um amplificador. O único problema é daqueles iténs que não emplacaram.
    Isso é pra ser uma propaganda pra tentar vender a guitarra do Popi? Não, isso é uma boa história da minha vida e a história de um itém mítico. Eu quando a vi falei pros Popi: "Porra, isso é a guitarra do Jaspion".

EDIT: Tive que postar isso que o Dedo(@guigatrojan) postou no seu twitter.

Anatidaefokiller

Estás na mão, meu último curta-metragem. Feito em parceria com o Paulo, Nathan e o Ector. Participação especial da Andrieli. E agradecimento especial ao Emilio que emprestou a casa e seu RedLabel

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Filmes e contadores de história.

   Desde que parei de trampar de manhã, fiquei um tempo tendo aulas teóricas da carteira de motorista. Tudo isso acabou Quinta-feira passada. Desde lá, estou vendo filmes. Um por dia. Eu estava me sentindo impotente no assunto. Todo mundo falava de bons filmes, eu tenho uma grande lista e nunca podia vê-los. Isso me deixava meio deprimido, principalmente falando com a Ju, Thaise, Emilio e até o Ariel, nos tempos do colégio e o Ricardo, que quando milagrosamente converso onlaine, sempre sai algo.
   E lá fui eu. Filmes tem uma aura sem tamanho pra mim. Todo mundo fala dos livros, que são geniais, pois deixam espaço para imaginação. Eu gosto de livros e respeito a opnião, mas filmes são minha sina. Eu não gosto de imaginar histórias, eu gosto de senti-las. Acho que o filme proporciona melhor isso. E sim, filmes também deixam espaço para imaginação.
   E independente de ser livro ou filme, os caras mais filhas da puta que existem são contadores de histórias, pois eles fazem tu querer sair da realidade.
   Domingo pra segunda(retrasada). Vi um estranho no ninho. Estava louco pra vê-lo desde que comprei. E essa ansia não foi decepcionada por um bom filme que mostra um reflexo sobre conceitos de insanidade de forma leve e bem humorada. Jack Nicholson com toda a certeza, rouba muita atenção com sua atuação, como sempre (exeto em o Iluminado, que o piazinho atua melhor que ele, na minha opnião). Até acho que o filme mostra que louco é quem não enfrenta seus problemas e assim fica louco. Tem razão. Tem a ver com meu momento, que estou em meio a um conflito existencial, de certo modo e preocupado se tenho síndrome de Tourette.
   Quinta pra sexta. Apenas o Fim. É um romance brasileiro, muito bom. Filmado na PUC do Rio de Janeiro, mostra um casal jovem, onde a moça um dia decide ir embora. Ela avisa o rapaz e que eles tem 1 hora, até ela partir. O filme praticamente se passa em tempo real, pois tem 1h e 20 minutos. E há poucas tomas fora dessa conversa, sobre onde ele "errou", porque ir embora, se vão voltar a se encontrar. Pode parecer bem clichê e patético, mas eu achei genial. É o tipo de filme que tu assiste, ele te esmaga teus sentimentos e tu sai tipo, "caralho, que porra genial". Vale a pena. Para o cinema brasileiro, ele é até um avanço. Pois além de fugir do assuntos social, ele tem um estilo de filmagem mais aberto e que soa independente. Ah, fora todas referências "cult-nerds" nele.
   Sexta pra sábado.  Donnie Darko. Acho que é um drama. Com toda a certeza, está entre meus filmes favoritos, desde o momento. Estava parado no computador, desde que o Ricardo me deixou em fevereiro na visita dele e do Ariel. Na época a legenda não encaixava e deixei meio de canto. Mas nesses dias me deu vontade de vê-lo e tive. Procurei uma boa legenda e fui. Cara, é sensacional. Ele é muito rico em detalhes. O escritor colocou e literalmente viajou na sua história detalhes que soam geniais no enredo, que lhe faz pensar 20 ou 30 vezes, e não conseguir captar todos. É como o Emilio disse: "Não sei como toparam fazer um filme com um roteiro desses";

   Segunda pra terça. Dragão Vermelho. Hannibal é uma série que tenho que ver, mas sempre me esqueço. Esse filme mesmo, só assisti porque foi passado pelo professor de Psicologia e não conseguimos terminar, que além de prender minha atenção para ver o fim, também deixou um trabalho. É um bom filme, não achei o genial nem nada do tipo, mas é muito bom. Ainda mais analisando como o professor pediu, tem até muito se apreender.
   Terça pra quarta. High Fidelity. Lembro desse filme de pequeno. Já tive oportunidade de vê-lo, mas o via passando na tv eu trocava de canal. Ainda bem, eu não entenderia-o na época, correndo o risco de interpretá-lo como um filme bobo. É ao contrário. Em boa parte do filme achei que aquele filme, era o meu filme. Só que de forma indireta. Tudo que o personagem principal vive e conta, remete-me a mim. Não exatamente igual, mas remete. Eu ainda não li os livros do Nick Horby, mas cada vez tenho mais interesse, pois Grande Garoto e High Fidelity, dão vontade de conhecer tal sujeito que parece realmente entender como o mundo é. Se bem que não consigo imagina como é o High Fidelity escrito. Ele parece ter sido feito para o cinema. E para os atores. John Cusack, até soa meio estranho jovem. Ele não tem cara de ter sido um punk antigamente. Mas Jack Black, parece estar atuando um papel que é ele mesmo e o outro atendente da loja também. Confesso que ele me lembrou o Celso Neto, só que mais estereotipado, HAHA.
    Hoje pra amanhã. Hora de Voltar. É um filme que quero ver a certo tempo. O trailer que vi dá muita vontade, mas nunca achei-o em locadoras e sempre esquecia de baixá-lo. Estava me esquecendo, até ver no Arapongasmotorclub. Não me serviu o link deles, mas sim para me lembrar.

    Depois de hoje. Ainda não sei ao certo, mas há vários filmes já baixados e outras para baixar. Os baixados são L'elefant, Elephant(é outro filme), Wayne's World, 500 Dias com Ela (pelo nome nem baixaria, mas me falaram muito bem e várias pessoas)....

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Meus Bródis - Parte 6 - Pela Juh e Emilio

Poxa vida, começaram a fazer uma lista com pessoas parecidas e eu fui continuando, caraca, já tem 21 uma pessoas parecidas comigas. Aos poucos vou colocando-as aqui. Pra agilizar o processo, farei post com histórias curtas, incluindo dois ou três. Nesse post, vou mandar os que o Emilio e a Juh, dizem que eu pareço. Comecemos:

O Emilio tirou uma foto no psicodália de um maluco, saiu mostrando geral pro pessoal que veio conosco. Lembro-me de ter mostrado a mim, porém nem lembrava mais.(nesse momento estou esperando a foto, pra ver e comentar mais). Pronto. Puta merda, o cara é parecido mesmo. Até meio narigudo, como eu.


Num dos tópicos da lista começada pelo Emilio tem um itém: "11- Lá em curitiba eu e a juh vimos um cara igual ele, magro alto, cabelo igual. (num show)". Nada a comentar, pois não há fotos, mais uma história banal sobre pessoas parecidas comigos.

Quando conheci Rooney, logo mandei o som pra Juh. Ela respondeu "tu só curte o som, porque o vocalista é parecido contigo":


Lindo dia, a Juh veio no msn, ou estavamos conversando e ela disse que eu era parecido com o Jake do Two and a Half Man. Não é uma história emocionante, mas não menos importante.





Se bem que quando molequinho na série ele parece com o Gutinho. O Gutinho é outra pessoa que deveria ser feito uma lista de "irmãos do gutinho".

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Pastor Marcos te ajuda: Gente pior que você

Olá irmãos.
Se você acha que é uma pessoa ruim e que sua vida vai mal, pense:

Há gente que pratica Necrofilia

E se você pratica isso, pense que há gente muito pior que você que pratica Necrozoofilia.

Caso, tu pratique isso também, pense que há gente que pratica Necrozoopedofilia.

E se tu faz isso.. bom, não há gente pior que vocês.

Aleluia

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Loquinho da pia

Como prometido vou falar sobre tomar coca na pia. Na verdade é na estante de casa. Vou contar a origem e a pira.                                                                                
  
A dita estante
      Quando era criança, lá pelos meus 12 anos estava eu e um primo abrindo uma coca de vidro e enxendo os copos, quando caiu um bom tanto na estante da cozinha. Ela é feita de algum tipo de metal, que tenho que descobrir qual é. Enfim, para não desperdiçar coca, lá fui eu tomar coca naquele estilo limpador de comida dos teletubies (a única coisa legal que tinha nos teletubies). Tomei, e putamerda, é muito bom. Eu não sei explicar, dá um gosto muito refrescante. O sistema é quase como tomar água da latinha, mas muito melhor. Falei pro meu primo, ele tomou também. Achou o mesmo. Dae depois disso, foi-se o dia tomando dessa forma. Todo mundo me zoa de louco por isso, mas na fé. É muito bom.
                                                      

Complemento:
Ricardo colaborou com uma simulação gráfica do assunto.      
                                         

Não faço nada, mas nas horas vagas crio sindromes

    Que eu sou um completo vadio, acho que todo mundo já sabe. Porém, o fato curioso sobre mim, é que sou viciado em criar síndromes. É, na verdade, tenho uma pira de categorizar as coisas e sou viciado em criar nome pras coisas. Se você já viu o nome das Síndromes, verá que elas não tem nomes legais, geralmente. Então numa união de poderes que me foram concedidos pelo castelo de Grayskull, crio elas.
     Essa pira vem desde que ouvi falar da síndrome do sotaque estrangeiro. Achei engraçado o nome, soa trasheira assim como a "doença". Bom, o que acontece: O cara acorda certo dia falando em um sotaque de uma língua qualquer, que ele pode até não ter aprendido uma palavra dela, e fica assim. É como o Ricardo diria "é o tipo de doença que eu gostaria de ter". Eu acho que ele falou isso. Se não, superei o mestre!
    As síndromes que eu crio, não são lá muito empolgantes. Tem nomes diferentes, mas que também não são o bicho. Eu quis postar uma enfim, que merecia um post só pra ela. É uma boa síndrome. Enfim, vai-lá:


Síndrome de Amélie Poulain: Das poucas síndromes que lembro, pois muitas saem espontâneamente(ou bebendo) e não lembro. Enfim, essa é a mais bonita. Eu acho, ao menos. Todo mundo sofre dele. Talvez, seja um complexo de Amélie poulain, quem sabe.
Em uma das mais lindas cenas audiovisuais que já vi, o narrador fala: "Essa é Amélie Poulain, (apresenta coisas sobre ela) ... e se sente bem colocando a mão dentro de sacos de ração". Pronto. Lindo. Soa maluquisse, mas todo mundo tem essas peculiaridades. Eu sou fã de comer fandangos, não pelo gosto, mas ele dá uma sensação inesplicável nas gengivas. Ou tomar coca na pia (explico no próximo post). Todas são maluquisses particulares, a maioria não aceita ou não admite tê-las em público, por medo de ser zoado. Eu acho bacana pra caralho e engraçado, quando me contam suas piras.
Estado mental do paciente que sofre da síndrome: Normal


Algumas outras síndromes:

Síndrome Jimmy Page: É insuportável, ficar perto de pessoas que a sofrem. Quase todos os guitarristas sofrem dela. É a chatisse de ficar horas e horas solando, achando que tá sendo foda e que tá abalando. NÃO, VOCÊ NÃO ESTÁ ABALANDO! Na verdade, tem caras como o Éctor que piram nisso, o que demonstram sofrerem de distúrbios mentais.
Estado mental do paciente que sofre da síndrome: Chato, muito chato.


Síndrome do Éctor: Pagar pau pra pessoas que sofrem da síndrome do Jimmy Page.
Estado mental do paciente que sofre da síndrome: Grave.


Síndrome da intercepção de chamada: Isso me deixa louco. Sempre que to ligando pra alguém e o tá chamando e vejo alguém pegando o telefone pra atender ou outro telefone tocando, não sei porque, eu acho que alguém errei o número e to ligando pra essa pessoa. É muita demência minha, eu sei, mas é o que eu sinto.




Se lembrar de mais alguma.
Aquele abraço e cuidem com o papai noel no milho










segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Nós crescemos, a infância fica

Ontem vi novamente, o Forrest Gump. Grande filme, acho que o com a história mais bonita, que já vi. Divide espaço com o da Amelie Poulain. Forrest, muitas vezes tratado como idiota, o que não é verdade, pois sua mãe sempre diz que: "idiota é quem faz idiotisse" e fazendo, sempre tudo do jeito que sua mãe, Jenny, Bubba e Tenente Dan lhe falaram, ele evita de ser idiota. Isso lembra-me, que há coisas que nos falam e marcam, e independente de certo ou errado, ou de que o tempo passa, elas ficam. Eu me vejo nisso, em muitos aspectos.
    "Amar o próximo", algo que ouvi quando era criança a todo momento, na igreja, na doutrina, escoteiro, a minha vó. Hoje, não tenho ligação com religião, mas isso é o que eu levo muito do tempo que eu era luterano. No ensino médio, um professor veio falar que estava me preocupando demais com outros e por isso estava indo mal nas matérias. Achei meio besta isso, na época e não mudei em nada.
     No fim de semana, conversando com uma guria ela falou que lembraria meu nome, por ter um amigo chamado Marcus, que é meu amigo também. Ele é meu amigo, e isso não muda, mas eu tenho uma bira com o nome "Marcus" ou de me chamarem assim. Quando eu era criança, sempre me chamavam assim, pra me zoar. Eu nunca entendi direito o que era, mas imaginava que seria algo relacionado a "gay", que eu não sabia exato na época o que era, mas tinha um pia na escola que todo mundo falava que era "gay", e o nome dele era Marcus, o que fazia não parecer ser boa coisa. Ou se quando é criança tu trata palavras como "Cu", como algo muito engraçado. Cu é algo obscuro.
    Deixe eu me lembrar de outra coisa, pra parecer que escrevo bastante. (Pausa e eu realmente, estou pensando);
    Olha, eu realmente, não lembro de algo específico, mas vou falar de algo que tem acontecido muito ultimamente. Eu tenho visto, que muitas coisas que o Ricardo e o Ariel falavam e eu levava meio na zoeira, acho que eles também, hoje se tornam verdades. Eu só gostaria dizer, que eles são os meus amigos que mais tem razão e lamento, não ter aproveitado esse conhecimento com eles. Mas que se foda, eu não me arrependo de ter tomado coca com eles, invés disso.

Enfim, acaba.

"Eu não sou um homem esperto, mas eu sei o que o amor é" Forrest Gump. Acho que é uma das frases mais marcantes do filme
  

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Psicólogo comportamental da População de Vice City

Hoje dirigindo um táxi, trabalhando nas ruas sujas de Vice City tive tempo de fazer uma análise comportamental de boa parcela dos estereótipos existentes na cidade.
Primeiramente, algo que me preocupou muito foi o fato de pessoas chamarem o meu táxi, para levá-los ao ponto de táxi, o qual sou dono. Não há uma explicação lógica para esse comportamento e se torna agravante, pois entre 20 passageiros que atendi, ao menos 3 solicitaram isso.
Confesso que também creio que há uma falta de diversão na cidade. Um passageiro solicitou ser levado ao estádio e por volta de três ao clube/bar de motos. Isso é normal, mas o que me assusta, é que aparentemente as pessoas andam com os carros, em ruas de duas vias, de uma via para outra. Algo que além de outras coisas como acidentes de carros, torna mais difícil o trabalho de pessoas como eu, motoristas de ambulância, carros de bombeiros, policiais, entre outros. Fora, que sempre que vejo carros mais ao longe, tenho a impressão que eles vem em marcha ré e ao me verem, começam a andar normalmente. Bem, devo estar ficando louco de tanto andar e conviver com essa sociedade.
Fora isso, os outros destinos são justificáveis.
Eu como um grande mafioso na região, tenho muitas tretas com gangues locais. Principalmente, com os haitianos. E eles tem um estranho radar de me reconhecer, indiferente do carro que guio. Eles metem bala, sem pensar ou olhar muito. É algo que está além da genética humana creio e sim ao instinto básicos do gangsters.
E encerando meu texto sobre o comportamento, observado enquanto taxista. Uma dica. Tenha um táxi listrado. Enquanto todos levam e ficam andando feito tobóias o dia inteiro com um mesmo passageiro. O listrado manda ver!

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Muito a se aprender como uma foto antiga



Não é nada tipo, nossa, mas são detalhes que dão certa graça as fotos antigas.

1º Número do telefone. Quando eu era moleque já era "254" o começo dos números de Rondon, junto com "284". E hoje, é "3254" e "3284", por um decreto de todos os números das cidades começarem com "3".
2º  Publicidade da época. Creio que não dê pra ver, talvez clicando nela. Mas abaixo da Anhanguera tem escrito o slogan: "A melhor Ração"; Só de pensar em alguém, pensar nesse incrível slogan, já fica incrível.
3º Como as pessoas queriam aparecer em fotos. Era muito raro tirar fotografias, mas hoje parece engraçado ou chato, ficar posando pra fotos. E tipo, tirar uma foto da firma, pra aparecer em uma foto, se meter nela.
4º Tiozão parado na porta da firma. Ele é meu bisavô e tem estilo!
5º Como uma mesma construção pode mudar tanto.

4ª Dimensão

Ultimamente, estive refletindo sobre a lógica dos pensamentos que acreditam que existe uma 4ª ou várias dimensões. Tipo, temos 3 dimensões no mundo real e 2 num mundo de videogames dos anos 80 e 90. As 3 dimensões são Altura, Largura e Comprimento, podendo variar os termos, é isso.
O detalhe que me intriga é que a 4ª dimensão é algo tipo, as 3 outras juntas e mais. Uma vez vi que acreditam que a 4ª Dimensão é algo como onde ficam nossos sonhos e pensamentos, o que é algo que já deixa isso totalmente grande. A 4ª dimensão nesse aspecto cria como um novo mundo, sem usar as outras 3. O que fica é que deixa as coisas sem noção é que são 3 unidades de medida e a 4ª não, tornando ela totalmente fora do padrão para ser uma "dimensão". Não há uma grande lógica para isso.
Eu não estou questionando a existência ou não, só da nome e a lógica para isso.

EDITADO: A quarta dimensão "é o tempo", como bem lembrou a Juh. Mas ainda é algo, que fica meio fora de um padrão, comparado as 3 dimensões. Foi um comentário precipitado, mas eu estava refletindo sobre isso e resolvi escrever. Tem mais dimensões, e uma delas tem a pira dos sonhos e papapa. Mas soa "inlógico" pra mim, pois não se utiliza as dimensões com uma unica unidade de medida. Isso não parece ser justo. É muito mais legal ser o tempo, do que o Comprimento, por exemplo.


... E pra embalar o pensamento:














P.S. Se estiver confuso o pensamento, me avisem eu re-escrevo.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Eu já conheci o Galvão Bueno.

O pior que é sério.
Estava eu e meu primo saindo de um fliperama de um pequeno shopping perto da praia dos Ingleses em floripa, quando vamos até o elevador. Apertamos o botão e em poucos segundos ele vem. Estava-mos no ultimo andar (3 andar) descemos até o segundo. Parou e abriu a porta. Eis que surge uma familia, um Senhor mais velho, uma mulher um pouco mais nova que ele e um piazão. "Sobe?", ele perguntou. "Não, desce", respondi. Fechou a porta. Ficamos procurando a nossos familiares. Em 15 minutos aparecem eles no mesmo elevador. "Vocês não vai acreditar com quem acabados de tirar foto! O Galvão Bueno".
Eu nem percebi, mas aquele senhor era o GALVÃO BUENO!

Sim, isso é uma postagem com um título sensacionalista! Mas a história é verdadeira!

domingo, 13 de junho de 2010

Dia dos Namorados

Não por ser dia dos namorados, tive um dia dos namorados bem divertido. Eu não sou adepto a causa, mas só pra não dar uma de chatão postarei algo sobre. É um pequeno curta, bem bonitinho.

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Loquinho da garrafa

    Uma coisa eu uma grande besteira pode virar uma grande história.
    Lá por junho de 2006 estava em um típico ensaio do coral, nas terças feiras, quando umas 4 pessoas pediram pra ir tomar água. Dae o regente do coral, o grande Irving, falou que ia deixar, mas depois disso cada um com suas garrafinhas. Bom, eu não tinha garrafinhas, só garrafas 2 litros, pois sempre bebiamos coca. Próximo ensaio tava eu lá com a garrafa e virei por um tempo o Zé Graça do coral. Eu continuei levando, por bobeira e por não ter realmente uma garrafinha.
    Chegou o Encorse (Encontro de Corais) em POA e lá fui eu com minha garrafa pagar de Zé Graça que tira onda. Dae estava eu com a garrafa vazia e nós (eu, ariel, eduardo e nicolas, de sapiranga) tomando um lanche e surge a brilhante idéia de colocar suco dentro garrafa. Dae era só alegria os ensaio, bebendo suco. O foda é que o regente de 3 de maio ficava só me encarando.
    Segundo ano, 2007, chegando o Encorse, já estava combinado de EU levar a garrafa para "roubarmos suco" lá. Dito e feito, fomos a Pomerode e no primeiro lanche estava os 4 novamente "roubando suco". No outro dia, chega o Wetz e fala: "Marcos, preciso te contar uma coisa". 
     Proseguiu: "Eu estou hospedado junto com um piá de 3 de maio e ele chegou assim pra mim: 
-'Tu é de Ivoti?'
-'sim'
- 'Então, tu conhece o cabeludo altão, né?' 
-'Sim, sim'
-'Então cara, eu acho que ele é louco. Tipo, ele sempre tá andando com uma garrafa de dois litros"
-'Mas vai que ele tem muita cede?'
-Então, isso que é o mais engraçado. Ele sempre tá com ela vazia. Ano passado em POA ele também tava com ela. Acho que é o melhor amigo dele"
     Eu ouvindo e me mijei rindo. Já planejando um plano de chegar com a garrafa vazia e oferecer água pro cara. Até cheguei perto pra fazer isso, mas comecei a rir. E tive que puxar papo. O pior que não era um cara. Era toda piazada de 3 de maio ficava me zuando de loco. Quando fui falar com eles, me tornei meio que ídolo loco deles. Eles me deram umas pichulinhas pra cuidar e levar elas crescidas.
    A história não acaba. Há 2008, Encorse seria em 3 de maio. Todos ansiosos, alguns mais por ir para a terra de Lúcia Luft. Eu estava na espectativa e pensando em levar a garrafa. O Foda que perdi todas. Um pouco antes de ir para lá, tivemos uma apresentação em um colégio Agrícola em Santa Catarina. Lá eles deram um refri chamado "Spri". O refri nem era tão ruim, quanto pode parecer. Mas é bizarro. Amarelo cor de mijo. 
    Cheguei no colégio, primeira coisa era achar o pessoal de 3 de maio e mostrar a garrafa. Achei, e estávamos todos pulando de alegria. E todo tempo a pira era do loquinho da garrafa, mas a pira se alastrou e era quase todo mundo do Encorse ligado na história da garrafa. Altos caras vinham falar comigo sobre. Nos ensaios era a vida. Domingo era a ultima apresentação e tinha a apresentação do Grande Grupo. Antes da noite fomos até a casa da Lúcia, muitas pessoas umas 40. Ela estava no banho e não pode atender. Voltamos e jantamos e ninguém mais queria voltar. Mas eu e o Ariel não estávamos pra brincadeira e destinados a cumprir nossa missão ao preço que fosse. Eis que surge uma esperança: "O Celta". Era um piá que só foi no Encorse de 2008, que eu apelidei ele assim, porque ele tinha uma tatuagem de uma cruz celta, se não me engano. Ele falou que conhecia mais ou menos e ia levar. 
    No interfone falou que tinha fãs e que eram de Santa Cruz. Santa Cruz, porque o sonho de Lúcia Luft é tocar na Ocktoberfest de lá. Conseguimos. Os 3 ficamos na sala de tv da Lúcia conversando com ela. Um sonho. Eis, que tocam a campainha e lá fora estava alguns dos 40 pelegos que estavam antes lá. Sorte que alguém levou uma camera, assim podemos captar uma bela imagem.

  Voltamos, assistimos as apresentações do grupos restantes. Era hora do grande grupo. Nos acomodamos e ficamos lá. A euforia era grande e ficamos ali agitando. Eu com a garrafa, volte e meia levantava ela e gritava-mos. Acho que cantava-mos uma curta canção para ela. E uma mulher a vice-diretora de 3 de maio, querendo tudo bonito ficou estressada e tirou a garrafa. Dae começou uma revolução. Planejavamos não cantar ou fazer algum protesto. Era injusto. A garrafa fazia parte do coral ou do Encorse, ao menos pra nós.
   Ao final de tudo, ela veio me abraçar e devolver a garrafa. Ela falou que só quis deixar tudo bonito. Eu, talvez cego por ter minha garrafa de volta, a perdoei. E ae começou as lágrimas e tudo mais. Todo ano sai gente e entra novas, eu era uma que iria sair. Com essa minha fama e várias amizades feitas, muitos vieram tirar foto comigo. Pessoas que tinha só visto, mas nem conversado direito. Muita gente, mesmo. Irving pediu para irmos e a caminho do ônibus, tirei mais algumas fotos. E nesse caminho ouvi a frase mais marcante da minha vida. "Poxa, como será ano que vem? Quem vai trazer a garrafa? Podemos até achar outro louco da garrafa, mas aposto que não será a mesma coisa"; Eu falei que tentaria volta, por forças do destino, não pude. Poderia ir esse ano, ainda tenho algumas conhecidas que irão, mas a maioria também se formou e não está mais.
    Isso que é o mais foda de ter morado em Ivoti. Esses encontros, as amizades, o próprio colégio. Eu voltei para o Paraná. Por mais que eu ame essa terra, tenho saudades dos tempos de lá. Foram os 3 anos mais "tris" da minha vida. Não reclamo dos amigos daqui, nem nada. São grandes parceiros tanto quanto os de lá, porém, a época e tudo envolta, conspirava a favor disso.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

O que? Tu acha que o batera do Slipknot foda?

Tu acha isso? Pfff.. que otário, saca esses caras:




(se por acaso tu nunca viu isso, é mais pelo final)


(como não achei um bom vídeo dele tocando vai ai uma imagem que diz tudo)



(um clássico)


e pra mim, o melhor...

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Eu traí o movimento

    Bom, por mais que me chinguem e continuem chingando, porque traí o movimento escoteiro e darei minha resposta. Não é necessário concordar, só quero esclarecer alguns fatores.
    O movimento escoteiro criado pelo BP foi muito importante pra mim, em toda minha vida. Até hoje considero importante demais tudo que aprendi. Ultimamente, amadureci muito e passei a não aceitar totalmente esse mundo mágico que foi pra mim. Eu ingressei em junho de 2000 no escotismo. Eu tinha 10 anos de idade, e entrei, pois minha prima e meu primo faziam. Até os 14 anos, foi muito bom. Formei um grande grupo de amigos lá, que muitos são chegados até hoje. Aprendi muito. Não era um escoteiro exemplar, era um pia pançudo que tava mais pela diversão, do que por qualquer outra coisa, mas mesmo assim aprendi muito. Saí do movimento, porque fui morar numa cidade que não tinha escotismo. Nesse período que me pesou tudo que o Chef Paulo falava. Tudo que o Arrioti falava. Tudo que tava no guia, falava. Nesse momento, tudo começou a fazer ter uma razão pra mim e eu pensei quão foi o tempo perdido que não aproveitei.
   E isso me deu vontade de tentar montar um grupo escoteiro. Reuni uns antigos escoteiros do meu colégio e mandei a proposta. Eu sonhava demais, pensava no futuro. Fizemos uma reunião, não oficialmente. Veio bastante gente até. Fizemos uma segunda, tinha uns 4, creio. Então, pensei em fazer algo pra oficializar e trazer pessoas de todo o munícipio, pois dentro de um colégio particular, as pessoas não davam muito valor.
   Eu tinha 14 anos, ia fazer 15. Não tinha nenhum adulto ou responsável que pudesse me ajudar. Os poucos que toparam, não poderiam em fins de semana. Mandei um pedido de ajuda da UEB, que nunca veio. Fiquei de boa, eu não conseguiria nada com minha idade.
   Voltei pra MCR, com 17 anos. Tive vontade de voltar a fazer escotismo, fui um mês e parei. Na época estava montando um cineclube na faculdade e uma banda, sabia que não ia continuar por muito tempo. Nem pretendia voltar integralmente, mas queria ir continuando. Eu não desisti dos escoteiros pela banda e pelo Cineclube. Eu desisti, pois me falaram que não fazia sentido eu estar lá. E é verdade, eu sou ateu e o primeiro dever dos escoteiros é sempre com "deus"; Foi a coisa mais sensata sobre o escotismo que me disseram e eu fui, pois o escoteiro não continuaria mentindo. Pra mim, é o único defeito do escotismo esse "preconceito" religioso. O que não me agrada, é o movimento atual. Não digo que no meu tempo era bom, pois eu era bem moleque, mas no meu tempo havia o Chefe Paulo e o Arrioti, meu monitor e um dos melhores escoteiros que rondon já tiveram, que me mostraram que tinha uma saída, nem que fosse numa pequena cidade como Marechal. Isso não vejo hoje. Tem chefes muito bons em Rondon e que respeito, mas mesmo assim, pra lá eu não volto.
   Se faço piada e ironia, é meu humilde jeito de criticar algo, que para mim não está bom. Se uso ferramentas da internet como o Twitter e meu blogue, é porque são minhas únicas armas de ter minhas críticas ouvidas, nem que seja para poucos.  Mas a grande real é que meu blogue e meu twitter, são meus confessionários; me deixa mais autista, mas eu gosto. Parece que postando eu realmente ganho voz. Primeiro eu sabia que era uma ilusão, mas hoje eu acredito que é verdade, pelo tanto de chingamentos que recebo. Assim, essas ferramentas se tornam armas.

Notas complementares:   
1-Eu não quero fuder o escotismo, quero que as pessoas abram a mente, e entendam melhor o que fazem parte.
2-Ninguém é obrigado a concordar.
3-Tô com o João gordo e não abro.

P.S. Eu não vou citar todos os eventos que aconteceram pra eu ganhar raiva do movimento atual.


 

3 Anos de Eu vi Milho

    Por mais que "oficialmente" não exista mais a Eu vi Milho Produções, ela sempre existirá pra uma possível férias pegarmos uma camera e filmarmos algo, ou para trabalhos póstumos de seus colaboradores. Data exata da criação, eu não sei, to tentando descobrir. Mas creio que foi por volta de 20 de abril de 2007, data da criação da comunidade no orkut. Provavelmente, foi nesse dia mesmo, pois é uma sexta-feira. A Eu vi milho foi criada numa sexta após as filmagens do Super Mário Proletário, tendo já pronto o filme Coisa do Mau.
    Por mais que essa data já tenha passado a algum tempo, esses dias dei update num vídeo com vários bastidores, armações, histórias curtas entre outras coisas, que não valeriam fazer um vídeo separado, chamado B-sides da Eu vi milho ou "Como éramos dementes". Sem edições, só colocando os vídeos mesmo. Pode não ser nada pra muita gente, mas que é da Eu vi Milho vai entender a budega!

Oi mãe, quero aparecer na Mtv

Bom, a Mtv tem um programa chamado Fiz Mtv, onde qualquer um pode mandar seu vídeo. Nisso, aproveitei e enviei meu último curta metragem o "Everyday Blues", que pode ser visto no youtube ou no Fiztv. É preferível que veja no FizTv, pois me dá mais audições. Não, que isso seja uma grande coisa, mas seria legal poder falar que meu filminho apareceu na tv já. Bom, provavelmente, ainda vou inscrever o "Alcança aí, Mãe", também, que pra quem não sabe, é meu xodó.
E pra ajudar, acessando o meu perfil é só clicar AQUI ou no Banner ali na direita!

Salve!

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Sobre tartarugas, dinossauros e o osso de galinha.

    Bom, estive com uma virose, então fiquei meio afastado de tudo. Nisso, um médico solicitou que tirasse um raio-x lá no hospital. Estava, esperando meu avô me buscar na volta, quando me deparei com o campo de futebol que há na frente do hospital. Lembro-me que lá acontecia os jogos de sexta, das pessoas da igreja Maranata e chegados dos mesmos, que alguns eram tios meus. Dae, toda sexta eu e meus primos iamos junto, pois envolta do campo, havia um belo bosque onde brincavamos, porém o mais legal que tinha duas tartarugas por lá. Aquilo era diversão, ficar procurando as tartarugas. Eram tartarugas grandes, uma lembrava um boneco de tartaruga pré-histórica que eu tinha.
    Minha infância era muito voltada pra dinossauros. Também, nasci na época que a sensação era o Jurassik Park. Aquilo me marcou, queria ser paleontologo a todo custo, como o papel do Sam Neill. Não era o único, meu primo mais velho também. Ele era o chefe das nossas excursões e por isso ficava com o pincel pra limpar os ossos.
    Certo dia, estava nós no domingo de rotina, fazendo excursões que lá tava um parente nosso, que é tido como referência em ser um grande sábio de história. E nós lá cavando e procurando possíveis ossos de dinossauros. Achamos vários, pequenos simples. Não comemoravamos, apenas coletavamos os ossos. Dae um tio meu falou, deixa esse tio aqui ver os ossos. Ele olhou todos e falou: "esses são de galinha, mas esse aqui é de Dinossauro, com toda a certeza"."Vocês podem ficar famosos e talvez ricos, se ali onde acharam esse tiver mais; pode ser que ali seja um sitio arquiológico", prosseguiu. Cara, nunca fiquei tão feliz na minha vida. Eu e meus primos, que na época tinhamos de idade: meu primo mais velho com 10, o segundo com 9, eu com 8 e o mais novo com 6. Nos botamos a cavar mais. Mas a grande real, que era apenas um osso de galinha.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

O vilão mais feio de todos

         Vilões de jogos nem de longe querem representar beleza, mas geralmente eles são razoáveis. O Bowser, por exemplo, ele é feio por ser mal e parecer do mal. O Robotinic, poxa, o cara é um ciêntista todo pirado, não é a toa ter olhos vermelhos, ser todo descabelado e por mais que ele seja puta inteligente, chego o bonitão que corre mais e apavora com tudo. Não é a toa que é feio.
        Agora vou mostrar o que é ser feio e sem sentido ainda mais. É de um jogo chamado Enough Plumbers. Ele é em flash (se não for, desculpa Ricardo) e pode ser encontrado no saite da Armor Games, que é o saite que salva meus dias. É um jogo legal, nítida referência ao Mário, porém ele não segue o "mesmo esquema". Ele não tem uma história, propriamente dita, mas o final é legal que tu tem chega na princesa e ela vira um chefão. What fuck? E se não bastasse, o bixo é feio pra caralho. O mais feio e tosco de todos.

É uma mistura do bowser sem casco com o Evo Morales?

terça-feira, 11 de maio de 2010

Hallelujah

       Meus amigos e principalmente o Ricardo, que me desculpem, mas aqui vou eu voltar a falar sobre essa bela canção. Mas é estranho, essa música é muito linda e eu fico cada dia mais apaixonado por essa canção. Conheço ela a uns 3 anos, na voz do John Cale. A primeiro momento desprezei ela. Na verdade, eu ouvia, mal começava e desistia. Música parada chatinha.
       Não que músicas paradas sejam chatas. Músicas paradas é o seguinte: da chatisse para foda não é muito distante. Músicas paradas pra mim não fogem muito disso, ou são boas, ou são muito chatas. Talvez momentaneamente, eu ache isso, pois to ouvindo muitas delas, as ditas baladas, pelo Paulo. E ele me zoa. Se olhar na minha last.fm, vai ver que maior parte das minhas músicas favoritas são paradas.
       Enfim, ela é genial e emblemática. Leonard Cohen quando a escreveu, demorou mais de um ano. Ele tinha um caderno inteiro só com versos e estava começando a ficar maluco quando compunha, pois não conseguia chegar ao final. Tanto tempo, é justificável para quem sabe a mais bela canção de todas, apesar do Leonard achar que isso tudo é demasiado para a própria canção.
       O que me incomoda nela, é que olha para as canções que faço e não consigo mais me contentar. "Eu nunca vou conseguir compor uma música dessa magnitude"
       Eu coloco no meu pareo das melhores canções já feitas como Construção do Chico, Champagne Supernova do Oasis, Bohemian Raphsody do Queen, Free Bird do Lynyrd Skynyrd ou Hurricane do Bob Dylan. E com toda certeza no pareo das minhas canções favoritas que são I Want You do Bob Dylan, Free is a bird dos Beatles, The Boxer do Simon and Garfunkel e Cotton Fields na versão do Creedence.
      Além de toda a magnitude da música, as milhares de interpretações da música. Uma vez lendo um artigo sobre as versões que superaram as originais, lá estava ela. A versão do John Cale é a mais aclamada. Como interpretação solo gosto também do Rufus Wainwright. Ainda há diversas, até uma mulher cantou no American Idol.
      Mas particularmente, considero duas versões as melhores. A da Quebb, pra mim, com toda certeza é a melhor. Ninguém conhece essa banda, mas é uma das melhores de folk que já ouvi. A interpretação é feita com primeira parte de cada estrofe solo e a segunda em coro. O refrão em coro novamente. Tudo acompanhado por um violão. A música chega no ápice. Parecem anjos cantando, ainda mais no Hallelujah, que cada um interpreta de uma maneira. Eu sinto que quando vamos para o céu, aparece a Quebb cantando pra nós.
Download
      E depois de muita aversão, eu tenho que concordar com a Ju que a versão do Jeff Buckley é admirável. Começando com um bom dedilhado no começo e uma bom interpretação, pra mim é a que mais se diferenciou no propósito original, que é "parecer uma música de igreja". Ele cantando Hallelujah, parece um pobre homem pedindo clemência. É de se arrepiar ouvindo.
Vídeo dela

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Camisa colorida

Ah quem zoe que eu tenho uma camisa colorida e isso é símbolo da bandeira gay. Fica ligado, tem 6 cores, incluindo preto, que eu tenho certeza que não tem no arcoiro. Já disseram que a camisa lembrava o símbolo do cooperativismo de Nova Petrópolis, que eu fico me imaginando como é?!?
Efim, o Ariel achou esse clipe que um cara usa uma camisa igual a minha:


Quando eu digo igual, é até a mesma ordem de cores e marca. E a música é legalzinha.

Pra quem dúvida:

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Seu presente, sem futuro, se depender de mim

            Eu tenho um sério problemas. Eu lembro essas malditas datas comemorativas. Domingo agora é dia das mães. Eu não consigo esquecer, e assim, não consigo falar pra minha mãe que esqueci a data sem peso na consciência. Assim, eu não falo que esqueci a data e sabendo disso, me leva a outro problema: Dar presentes.
            Se tem uma coisa que eu não gosto de fazer, é comprar presentes. Na verdade, eu não gosto nenhum pouco de fazer compras, tanto que só saio para comprar o que realmente preciso para uma vida sadia: coca, doritos e o xis do Kallifas. E as vezes, compro algo na internet, mas nunca encontrarei algo pra minha mãe.
            Pode ser problema de auto-confiaça, mas sempre que eu escolho um presente penso coisas do tipo: "O meu presente vai ser o mais besta"; "O pior é a pessoa ver o presente, vai achar ridículo"; "Será que a pessoa vai gostar disso?"; É uma desgraça.
           Ano passado meu limite foi posto a prova, pois me convidaram pra umas 5 festas de 15 anos. Eu não faço idéia, do que garotas de 15 anos gostam. Na dúvida, comprei perfumes sempre. Claro, que não fui sozinho, ia junto, mas a decisão final era sempre do Vladi, afinal ele é meu amigo descolado que entende disso, creio.
          Outra, teve o aniversário da Paty, que é praticamente minha melhor amiga. Praticamente não, ela é. E eu nem dei nada. Isso me deixa meio assim, pra alguem que sempre me faz pipoca e terere, além de ser a pessoa mais gente fina do mundo. Na verdade, eu comprei um presente pra ela. Mas agora, ou seja  2 meses após o aniversário. (ela faz dia 13 de março)
          Assim é o ideal, dar presentes sem datas. Uma data comemorativa impõe a compra e isso me deixa louco. Por isso odeio essas datas, a não ser as que eu recebo presentes como páscoa e natal, pois além de chocolate, ainda recebo a visita do Papai Noel e Coelinho da Páscoa. Mas tirando essas, é eu odeio todas. E odeio mais ainda, se lembrar delas.

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Everyday Blues

Poutz, nem lembrei que não tinha postado meu ultimo curtametragem pra todos os meus leitores do blogue.

Beatles On Record

Não há muito o que falar. Eu não to escrevendo muito no blogue, não que eu não queira, mas tenho meus períodos que não posto. Enfim, achei esse documentário sobre as gravações de todos os álbuns dos Beatles, diferente de documentários sobre eles que vi. Quem sabe, esse post traga minha "rotina" de postes.











quinta-feira, 1 de abril de 2010

3 jogos de zumbi que mudaram minha vida

    Desde pequeno, sempre curti assuntos que envolvessem eventos sobrenaturais. Montros, assombrações, ets. Porém, o estopim foi quando vi zumbis. Eles são o que há do mais do mal. Há começar, que eles surgiram em contos populares que feiticeiros de Vodu, transformavam pessoas em subalternos. Vodu é muito do MAL.
    Dae, foi se alterando. Passou para mortos vivos, que saiam das tumbas para comer cerébros, que foi a primeira versão que conheci. Hoje, já há zumbis que nascem atraves de vírus. Varia, mas geralmente quando um zumbi te morde, tu também vira um zumbi. A não ser que você seja uma pomba, pois ae o zumbi vira uma pomba.
    Se eles sai mordendo todo mundo, eles viram mais reprodutivos do que coelhos, o que torna impossivel acabar com todos. Outro fato, é que se tu ver um parente ou chegado teu, virando zumbi, tu vai ficar gay, e não vai matá-lo, deixando que de um jeito ou de outro tu vire um zumbi.
    Nesse vício, entrou completamente jogando vídeo-game. Jogando um jogo de vídeo-game, só que no pc. Poisé, quem me dera se eu tivesse um megadrive pra jogar Zombies Ate My Neighboors. Não tinha, mas tinha um super cd chamado 390 jogos. 390 jogos de megadrive, devo ressaltar. Cara, aquilo que eram jogos. Tinha altos massas, os quais passava boas tardes jogado. Mas nada supera Zombies Ate Neighboors. Tu escolhia entre a mina "gostosona" ou o vocalista do Offspring juvenil com óculos 3d e camisa do Punisher. Fora que tinha altos tipos de zumbi, como uma espécie de Jason, Chuck (boneco assassino), Vampiros, Bebê assassino. Bem, não eram só zumbis e sim vários monstros em que homenageavam personagens de filmes trash dos anos 50 até 80. Homenagem nem surpreendente, para um jogo criado pela empresa de George Lucas.


    Eu e meu primo, que também tinha o cd 390, que veio de brinde com nossos computadores comprados na universo informática, nos matavamos jogando. É o tipo de jogo que tu nunca se esquece. Está junto com os maiores: International Superstar Soccer, Mario, Top Gear... É o tipo de jogo, que tu senta com os teus amigos e começa a conversar sobre nostalgia, sempre tá junto na conversa. E nessas conversas, tive umas muito boas com o grande Ovelha. Nisso, surge uma recomendação "Cara, tu que curte Zombies Ate My Neighboors, já jogou Plants Vs Zombies?". Cara, a começar pelo nome o jogo já é foda. A idéia é GENIAL, um cara cria plantas geneticamente modificadas para defender-se do ataque de zumbis.O jogo é atual, com gráficos simples, mas bate quase todos os jogos atuais, se tu for ver. Ele ainda traz uma diversificada classe de zombies, desde Michael Jackson até jogadores de futebol americano, além das várias plantas. Tem o trailer do jogo que é muito genial, mas achei um vídeo clipe feito pra divulgar, que matou a pau:

Ainda deixo o link de download do jogo completo: DOWNLOAD


    Depois desses dois, sabe-se que não encontrará jogo maior de zumbis. Não, Resident Evil não é um grande jogo de zumbi. É bom, apenas. Sou um cara que é viciado em zogos em flash's, e sei como é dificil encontrar bons jogos no estilo. A maioria é apenas divertidão. Visitando o saite de Armor Games, sempre achei bons jogos. Mas um, me surpreendeu: Infectonator world dominator. Ele não é um superjogo, mas cara jogos em flash como esse, são poucos. Esse é muito bom, o teu objetivo é lançar o vírus e deixar o pau torrar. Dae, tu vai evoluindo o vírus em quesitos como tempo de vida do zumbis, chance do humano virar um zumbi, ataque e defesa dos zumbis. Isso num quesito de que tu tem que dominar o mundo com o teu vírus. O jogo já é legal só por isso, agora bota umas piadas racistas contidas nas entre linhas, como porque na américa do sul tem um monte de civis negões de black power armados? Um monte de negos índios na africa? Porque na primeira cidade dos estados unidos, já tem uns agentes especias e soldados? Porque na russia, tem altos soldados fodões?; As piadas racistas não bastaram? Bom, ainda há os zumbis especiais que tu libera como tempo. Entre eles estão: Michael Jackson, novamente; Ronald Mc Donalds; Um cara vestido de cachorro; Venom. Ah, vale lembrar que há os heróis locais, que são personagens que são mais fodas de matar que o normal, como: Spider Man, nos EUA; Tem uma espécie de Rambo nos lados do oriente médio (rambo 3, pra quem não fragou); uma espécie de Fidel castro por cuba.
    Bom, eu não sou muito velho, tenho 18 anos e não quero dar lição de moral, ou dizer que antigamente era melhor. Mas cara, acho que pessoas um pouco mais novas que eu não vão entender esse post. Porque são jogos sem gráficos. Videogames foram feitos para ter diversão. (que lindo e filosófico)



sexta-feira, 26 de março de 2010

Fudeu

    Olha eu tentando ser engraçado fazendo placa desmotivacional. E não é a primeira vez.

Meus Bródi Parte 5 - Curtinhas

Tá, no post anterior falei da semelhança com o Mister Lúdico, mas sou bem diferente dele. Mas nesse quesito, não é física é que assim: eu sempre ando com meu violão, tocando músicas que ninguem conhece, sou alto, magrelo e era cabeludo. Fora ser estranho.

   Ontem, discutindo papos sobre Scooby Doo, veio:
"-Eu sei mais um que é parecido contigo."
"-Quem?" , questiono.
"- O cara do Tutubarão. E ele é mais legal que o salsicha, pois toca numa banda."
    Bom, pode-se dizer que ambos são a mesma pessoa, pois o desenho é um autoplagio feito pela Hanna Barbera, mas pra fazer um desenho diferente botaram um tubarão no lugar do cachorro e um cabelo meio diferente no resto. Em todos casos, o Emilio ainda me mostrou que instrumento ele tocava na banda:
   Além disse ele falou que de agora em diante sou o Linguiça, que é o nome do personagem, porque tem mais a ver comigo.

Meus Bródi Parte 4 - Irmãos do Rock 2

     Em outubro do ano passado, presenciei um dos melhores shows que já vi, o da banda Made In Brazil. Puta merda, não é a toa que é a banda mais velha ainda de pé, parecem uma piazada, mesmo com seus lá 60 anos (?). Como não podia ser diferente, encontrei mais um "irmão" lá.
     Tá, já tinha ido o Zorzo junto, o que o limite de irmãos do salsicha estava alto, quando me aparece um magrão de jaqueta jeans. Olhei pro Emilio e falei "Olha, meu irmão Hard Rocker". Poderia ter terminado por ae, até eu ir no bar pegar uma cerveja (que começava com a letra "b") e do meu lado estava um gordinho e após o meu bródi. E o pior, o gordinho me cutucou e ficou falando: "olha teu irmão ae". E a familia ria "tuto junta e reunida". Ainda consegui filar um pouca de cerva do gordinho.
     Alguns meses se passaram, e lá vou eu ver o show do Mister Lúdico, o qual também me falaram que sou parecido. Dae, eu parado chega um cara de moto e cumprimenta o Mutley e olha pra mim e fala: "cara, eu te conheço"; "é, lá do ganesh"; Tirou o capacete e tive que rir era o cara. Troquei umas idéias com ele, cara gente fina pacas e puta que pariu, tocava muita guitarra. Nunca vi um amigo meu tocando tanto guitarra. Não falo de técnica, falo de alma de guitarrista.



quarta-feira, 17 de março de 2010

Cerveja boa começa com "B"

    Olha, essa é uma teoria que tenho, que todas as melhores cervejas em diversos casos começam com a letra "B". Eu, particularmente, só tomo cervejas que começam com essa letra, tirando algumas raras vezes, que tomo outra. Começamos...
    Bavária; Não é só o slogan, mas essa é realmente a cerveja dos amigos. Cara, tá tu e teus amigos quebrados querendo tomar cerveja, é obvio que a única que tu vai conseguir comprar, é a bavária. Tá, tu consegue comprar Colônia e amigos, mas convenhamos, tu vai comprar Bavária.
   Brahma; Aqui entra a particularidade de cada um, mas se tu tiver um pouco de dinheiro a mais, tu vai optar pela Brahma. É a melhor, na sua categoria. Mas como disse, vai de cada um.
   Bohemia; Se tu tiver com grana, ou seu pai/avó/amigo rico tu vai optar pela Bohemia. Na fé, puta cerva saborosa!
   E ainda coloquemos uma gringa... Budweiser; 


Não discordo que tem aquelas irlandesas e escocesas melhores, mas to falando as quais eu tenho acesso de tomar...

sexta-feira, 5 de março de 2010

quarta-feira, 3 de março de 2010

Estou seguindo um regime

     É, eu sei que soa gay pra caramba, mas fazer o que é verdade. Na verdade, desde pequeno sigo, involuntáriamente, esse regime. É de comer pouco em cada refeição, porém como pouco em cada refeição. Lembro desde pequeno que meu pediatra falava que eu comia como um passarinho(os quais também seguem esse regime).
     Bom, descobri isso a poucos dias. Que comendo pouco, tu vai pegar isso e o corpo logo vai gastar, para suas "atividades enérgicas do cotidiano", diferente de se tu comer bastante tu vai gastar um tanto e armazenar o resto em forma de gordura. Acho que todo mundo sabe disso, só eu que sou besta o suficiente pra não saber. Ou descobrir tão tarde.
    Hoje vejo sentido porque quando eu treinava atletismo, eu comia mais no almoço e janta, e engordei. Não muito, nem que desse pra ver no olho, mas eu engordei.
    Agora que descobri isso eu não largo mais. É bom ser magro, apesar de meu avô achar que não é e que todo mundo achar que tu é muito mais fraco do que é realmente, é bom. Além de sexy! ;)

terça-feira, 2 de março de 2010

Amor

Ah, o amor é lindo. Cheio de corações voando por ae. Não, o amor não é bonito. Amor vem da cabeça e não do coração. E cérebros não são nem um pouco bonitos.




 Então, acho que as pessoas deveriam dar um cerébro de pelucias pros seus amores. E dar corações para as pessoas quando fazem sexo com elas, ou quando correm com elas, ou quando tem um infarto com elas, pois é pra isso que o coração serve!

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Sonho de filme

   Acho que todo mundo passa por isso, ter sonhos relacionados a filmes. Tipo, quando é pequeno e talz, ter pesadelos envolvendo filmes de terror. Bom, eu nunca tive isso. Não quando era criança.
   Tudo começou a duas semanas atrás, quando sonhei que estavamos sendo atacados por zumbis e minha casa era a base de resistência. Então, no começo era legal, pois abriamos o portão por pouco tempo pra vir uns zumbis e "matá-los". Até que um dia, entrarão demais e não conseguimos mais detê-los . Ai, estava só eu ainda, e lutando muito triste por todo mundo ter morrido. Dae acordei. E acordei mal, tipo com aquele sentimento: "poutz, todos meus amigos morreram. Droga, tenho que trampar". Ah, não tinha assistido nenhum filme de zumbis a um bom, tempo, o que torna isso meio inesplicável tê-lo.
   Isso foi numa sexta de manhã. Na outra semana, na segunda tive outro sonho. Ele era meio que dentro do filme "Identidade". Creio que ninguém conhece, então imagine que é tipo um pânico, que as pessoas vão morrendo por um assassino, mas "Identidade" tem uma idéia melhor. Novamente, o local era minha casa, e estavamos sendo perseguidos pelo tal assassino, que nem imaginava quem era. Novamente, todo mundo tava morto e eu fugindo. E acordei.
   Foram dias tensos, mas o pior estava por vir. Quinta-feira passada, foi tenso. Estava sonhando. Novamente com um filme. Não é qualquer filme. O mais medonho de todos. Na verdade eu nunca vi, mas é como se fosse " Um amor pra recordar". Eu não sei como é, mas foi esses romances bestas. Sério, foi tenso. E o engraçado, que sonhei e ficava andando pelo "cenário" e pensando: "porra, onde eu estou? o que to fazendo aqui?". O que eu não daria pra ter todos meus amios mortos de volta.

Sério, eu sonhei com isso.