domingo, 31 de outubro de 2010

Burro é quem faz burrice

No Forrest Gump em vários momentos ouvimos "Idiota é quem faz idiotice". Bom, nessas eleições só me veio uma parafrase na cabeça: "Burro é quem faz burrice". Não discuto lados políticos, ou quem eu apoio, mas poxa, os comentários que ouvi e li, no twitter, principalmente de amigos dá vontade de largar as bets.
 Todo mundo dando suas opniões contra-dilma, com argumentos e opniões falhas de idiotas, dizendo que quem vota é burro, ela é burro e até o dunga é burro. Mas sabe, não é defendendo votar nela, e sim, quem apoia ela, que é "burro", não fala nada, fica na sua. E os inteligentes tão lá falando merda, fazendo burrice e quem faz burrice é burro!

Só pra comentar outro aspecto, bons argumentos surgiram na eleição:
"Ela vai deixar o Brasil comunista"; "Só dá dinheiro pra vagabundo"; "Ela é do demonio"; e por ae vai.
Mas o que eu mais gosto "ninguém conhece a dilma"; realmente, eu que não entendo de política, não conheço a Dilma. Assim, como não conheço o Serra. Já tinha ouvido o nome dela quando pegou aquele ministério e o Serra, que já perdeu pro Lula uma vez (ou mais?). E todos aqueles otários, que junto comigo não entendem nada de política, lá falando isso. TENHA DÓ!

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Nuvens Godzilla

    Deitar em um gramado, olhar para o céu. Definitivamente, há poucas coisas pra mim que superam isso. Ah, claro, por mais que não tenha muita conversa, estar acompanhado de alguém, pra não ficar um clima muito solitário. 
    Não importa, se é de noite para ver estrelas ou de dia para nuvens, é uma sensação fantástica. Talvez, seja meu teleporte sem sair do lugar, junto com uma calmaria profunda. Toda a serenidade do luar; Toda nostalgia das nuvens.
    Aqui começa meu problema. Eu tenho uma sindrome que toda vez que olho pra nuvens de um modo, ou de outro, eu vejo um godzilla. Parece piada, como quase tudo na minha vida, mas é verdade. Eles geralmente não são tão visíveis como esse abaixo, mas eu 


   Na verdade, não é exatamente o Godzilla. Mas são sempre dinossauros, dragões e semelhantes. Mas a vez que eu reparei era um Godzilla e muitas vezes se aproxima disso.consigo vê-los entre as saídas de luz.


quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Filmes de amor

    Há alguns dias o Ariel postou em seu blogue um texto sobre filmes, e que curtia um do tom waits e talz e que achava besta filmes de amor. Bom, eu não lembro, já que o bocaberta deletou. E poxa, tinha mandado uma puta comentário pra ele, que se perdeu junto com o texto.
    Esse assunto de filmes de amor é algo que me deixa muito fulo. Quem admite gostar de filmes sobre amor, não sabe o que são filmes de amor. Quem não gosta, também não sabe nada sobre filmes de amor e julga-os mal. Ao meu redor ficam nessa de ver filmes violento. Tarantino é genial!! UHUL!
Não que não seje, mas estou enjoado do Tarantino e sua violência, do Burton (junto com o Depp) e sua "darkquessidade".
É um assunto complicado. Todo mundo curte filmes de amor, isso é inevitável, porém ninguém entende quando está vendo um filme de amor. As pessoas consideram-os filmes de amor como romances, mas se enganam. Romances são romances, sem tristeza e com um final mela cueca, sempre. Filme de amor, as vezes é feliz, as vezes triste e em todas vezes tem uma história sobre sentimentos confusos.
    Eu gosto de uma par deles. Muitos deles, acabam ficando camuflados, mas estão ali.
    Brilho Eterno de uma mente sem lembranças, High Fidelity, Amélie Poulain, Apenas o Fim, Bonecas Russas (sequência de albergue espanhol), Garden State são ótimos filmes sobre. São meio "undergrounds" a certo modo. Até acho que o meio que blockbuster 500 dias com ela seje.
    Não se trata de histórias melosas, tratam de boas histórias que nos identificamos pela "coincidência realista" que tem neles. Pelo cotidiano. Pela Emoção que há, seja de tristeza ou alegria. Sem contar as diversas maneiras que são contadas esses filmes acima, que é um mais genial que o outro.

Deixo esse curta, que já postei no blogue, mas que acho foda e inclui tudo que falo nesse último parágrafo.


Obs. Acho que vão começar a me chamar de boiola depois disso.

Recado para o Ariel: Vai te lascar!