sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Experiência sobrenatural

    Estava eu terça-feira, escrevendo o último texto, estressado e deprimido, conversando com o Ricardo, que sempre é uma pessoa tem uma boa visão das coisas. E falando sobre desabafo, disse que escrevia meus desabafos no blogue, não para mostrar pra todos como sou triste, quero chamar atenção ou coisa assim e sim, pois é algo terapêutico. É como se eu mandasse um barco pro mar, se precisar vai estar ali, mas não é mais meu. Mas também afirmei, que sempre pensei que se os alienígenas, actualmente sondarem nosso planeta, eles sondarão a internet e assim podem me achar e salvar, ou entender.

    Enfim, coincidência ou não, após isso, eventos estranhos se passaram comigo. Tá, não é o que podemos chamar de experiência sobrenatural intensa, ou algo assim, mas é sinistro. A começar por quarta, depois de ser cancelado a saída que ia fazer de casa, após dias passando mal, coloco a tela na cadeira e puxo meu colchão. Sinto meus pés molhados e quando vejo, meu colchão está encharcado. Tá, choveu a tarde, mudou o tempo do nada e deixei a janela meio aberta, confere! Agora me explique algo: Como um colchão, no meio da sala, embaixo de uma cama está molhado e todo o resto seco. Envolta do colchão estava meio molhado, na região onde o colchão estava. A teoria mais provável é chover e escorrer até lá, mas eu realmente não creio. E infiltração no teto, não há como, pois a cama está seca. Na hora fiquei assustado.
    Assustado até porque assim, eu meio que tenho mania de perseguição. Nessa casa nunca deu, mas nesse dia deu vários barulhos estranhos pela casa. Na minha casa antiga dava também, já estava acostumado, mas nessa começou a dar ou eu a perceber, nesse dia. Nada de mais pra quem tem mania de perseguição, mas sempre é um complemento.
     Bom, sem assimilar tudo isso antes, quarta-feira de manhã um número me ligou, não atendi, só vi a chamada perdida. Tentei ligar, estava fora de área. Após isso, esse número me liga umas 4 vezes por dia, atendo e dá o "tu, tu, tu" de como se eu estivesse ligando pra alguém. E depois de um tempo a ligação termina. O número fez sua última ligação ontem, próximo ao meio dia e depois disso, outro número fez o mesmo.
    Não to dizendo que isso é verdade, não to pedindo pra ninguém acreditar, nem nada disso. Mas ALIENS SE VOCÊS ESTÃO TENTANDO ME CONTACTAR, É SÓ DAR UM TOQUE. ;)

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Mad World - ou tudo que sinto nesse momento

    Todo dia, antes de dormir, eu me pergunto: "O que eu to me transformando? Eu era tão diferente... quem sou eu hoje, tão diferente do de ontem? Quem serei eu amanhã? Acredito tanto em coisas que as pessoas apenas se conformam e me vejo mais perto delas a cada dia.". Por fim, concluo: "estou ficando louco".
    Nessa altura do campeonato, não espero que as pessoas creiam no que eu digo. A maioria crê que eu invente esse personagem frustrado. Essas máscaras, esses delírios tudo é real. Por mais que sejam mais de um e reagem diferente a todo momento. Eu preciso de mudanças, tudo me entendia, mas também preciso da rotina pra matar meus pensamentos.
    Se os deixo muito livres, coisas boas não vem. Algumas sim, e quase todos os devaneios escrevo aqui, mas ultimamente tudo tem sido ruim. Penso mal das pessoas, me vejo tão solitário, longe de amigos e de pessoas que gosto em troca de pessoas que nem me satisfazem tanto assim. Não digo todos, mas também não digo que a maioria me apetece. E os que me apetecem, talvez poucos estão perto, consiga ter muito contato ou entusiasmem com minha presença. Isso que sinto falta do IEI, realmente. Não que tenha amigos piores aqui ou melhores lá. Mas lá morávamos todos juntos, era unido. Sempre podia contar com o Engsta, Ricardo, Parrudo, Dedo. E ainda sempre estava todos os outros pias do internato, que eram parceria e mais as amigas que moravam nos arredores. 
    Na época eu meio que me sentia um ursinho carinhoso, todos meus amigos lá e unidos lutávamos contra o "baixo-astral", junto com a Xuxa. Mesmo sem acreditar que disse isso, prossigo. Eu era uma pessoa comunicativa, conversava com todos, todos me conheciam, de certo modo. Aqui fora, me sinto o malvado. Se ferrando pra ser aceito do jeito que vivo, mas no fundo querendo ser um ursinho carinhoso. Nisso, conversando com o Ricardo ele me solta: "a vida é tosca e ninguém me avisou". Pura sabedoria.

"Feelin' all alone without a friend, you know you feel likedyin'." 


    Quem me dera ter tudo que amo tão próximo de mim. Amigos. Por mais "chora-chora" que parece, sinto falta de ter algo como uma namorada. Nunca tive, mais por crer que é algo difícil a beça, por ter a maioria viver numa rotina, querer ser "casal social" ou que entenda meu ponto de vista e respeite-o. Não, não estou dizendo isso para você, dona de casa, solitária, que pensa tudo igual a mim, vir e se declarar. Só estou colocando tudo que quero colocar nesse momento infernal. Mas também, se quiser, tudo bem, só não quero parecer um cara no programa "É namoro ou amizade?". Mas, da talvez única vez, que senti e entendi realmente a vantagem de "se ter alguém", me deixou um pouco mais confiante. Mas nem todo mundo entende meus pontos de vistas e por isso continuo aqui.
    Nessa falta de amor, que eu sinto desde pequeno, de tudo, sempre ouve alguém pra mim. As pessoas não acreditam, mas a Coca-cola, é meu amor. E é recíproco, bom é meio que uma prostituição, eu pago por amor. Não que eu não receba amor, creio que receba muito, só eu não sinto ou não o que gostaria. E no fundo é isso que move.


Vou terminar assim, porque não quero mais escrever. Por fim vou deixar o vídeo de Coffee and Tv do Blur, que meio que é meu hino no momento.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Será?

Eu não tenho tido muito empenho pra postar, mas sempre que posso, vou. Até tenho post-pensados, mas nunca lembro. Bom, aqui vai um, que estive pensando ultimamente.
A grande questão de onde viemos, sempre me instigou. Como instiga a todos, mostrando que veio de Deus, se pá o Big Bang. Eu realmente não, sei. De onde vem deus? Como o nada torna-se tudo? Sou leigo, bem leigo, deveria ler mais sobre a teoria do Big Bang, mas estive pensando como ela seria possível e se a teoria que penso, é possível.
Temos o espaço/tempo se tudo vai estar assim no futuro, não seria possível um ''viajante'' do tempo, voltar até o pré-bigbang e fazê-lo acontecer? Isso, criaria um paradoxo no espaço/tempo. Sei que não é possível, mas essa idéia bota em fé a prova do bigbang. Pra mim, ao menos, que é o que importa. Postei, não pra parecer entendido ou pra parecer louco, mas pra tentar ver se alguém tem outros pensamentos ou complementos.